Garcia de Orta adquire tomógrafo de retina

O Hospital Garcia de Orta (HGO), em Almada, Setúbal, anunciou a compra de um sofisticado tomógrafo de retina que permite um diagnóstico mais específico das doenças da retina, que será instalado no Núcleo de Oftalmologia de Almada.

De acordo com o HGO, este novo equipamento de Tomografia de Coerência ótica será o terceiro existente em Portugal e o único disponível no sul do país.

O aparelho representa um investimento superior a 165 mil euros, realizado com meios próprios do Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia do HGO.

Este tomógrafo permitirá “um diagnóstico mais específico e pormenorizado das doenças da retina e mácula”, possibilitando o início precoce de terapêuticas, “limitando tanto quanto possível o impacto da doença sobre a visão”, referiu o diretor do Centro, Nuno Campos, citado numa nota divulgada pelo hospital.

“Por outro lado, este equipamento permitirá que a nossa equipa faça parte de uma rede de investigação à escala global de utilizadores deste tipo de dispositivo, contribuindo para a construção de soluções melhoradas no tratamento de doenças da retina”, acrescentou o responsável.

Imagiologia do HVFX tem novo mamógrafo com tecnologia 3D

O Serviço de Imagiologia do Hospital de Vila Franca de Xira (HVFX) tem um novo mamógrafo digital, com tecnologia 3D, um equipamento de última geração que representa mais um passo na diferenciação tecnológica do hospital.

Para a diretora do Serviço de Imagiologia, Zita Seabra, este é um equipamento “muitíssimo completo”, que vai permitir “aumentar a atividade assistencial” alargando a referenciação, nomeadamente, para os centros de saúde.

Zita Seabra destacou ainda a tecnologia 3D, que equipara “à aquisição de um volume que depois pode ser processado milímetro a milímetro”, permitindo ver lesões “muito mais pequenas”.

Trata-se de uma tecnologia de última geração, implementada recentemente em vários centros europeus e que, segundo a diretora do Serviço de Imagiologia, “permite ver tumores muito pequenos e muito mais cedo”.

“Com esta tecnologia de fracionamento da imagem conseguimos uma qualidade extraordinária”, referiu.

A técnica coordenadora responsável no Serviço de Imagiologia, Filomena Veloso, destacou “a motivação que este novo equipamento representa para a equipa”, afirmando ter “todo o interesse em novas técnicas e em obter novas imagens que ajudem no diagnóstico e que ajudem também a equipa médica no diagnóstico”.

ULSCB adquire novo osteodensitometro

A Unidade Local de Saúde de Castelo Branco (ULSCB) equipou o Serviço de Imagiologia com um “moderno” Osteodensitometro Horizon da Hologic.

O novo sistema de densitometria para análise total o corpo é um sistema de densitometria avançado que permite cobrir todo o espectro de estudos ósseos e composição corporal, analisando uma região em menos de dez segundos e realizando um estudo de corpo inteiro em menos de sete minutos.

A Hologic possibilita analisar a densidade óssea na prevenção de possíveis fraturas (osteopenia ou osteoporose), bem como a análise da estrutura óssea, da massa corporal com a percentagem da massa muscular e da massa gorda.

De acordo com a ULSCB, tem como vantagens efetuar exames pouco invasivos para o utente, pois possui uma baixa exposição radiológica, oferecendo ainda conforto e contribuindo também para a adaptação às dietas por parte dos nutricionistas.

“Além disso, oferece um software atualizado, de última geração e graças à eficiência de seus detetores digitais, o equipamento consegue imagens com a mais alta resolução”, referiu ainda a unidade local de saúde.

A aquisição deste equipamento insere-se no plano de investimentos, no âmbito da modernização das tecnologias da ULSCB, com vista ao reforço da prestação de serviços de saúde aos seus utentes.

CHL tem novo equipamento para procedimentos ortopédicos

O Centro Hospitalar de Leiria (CHL) dispõe de um novo equipamento para procedimentos ortopédicos no Bloco Operatório do Hospital de Alcobaça – Bernardino Lopes de Oliveira.

O Mini Arco em C com detetor digital direto dedicado a procedimentos ortopédicos de extremidades, que representou um investimento de 98 400 euros, permite a intervenção da Unidade Funcional de Cirurgia Ambulatória da Mão e Artroscopia, em utentes com patologia traumática do membro superior em regime de ambulatório, de forma regular.

Este novo equipamento “tem como objetivo a efetivação das transferências de cirurgia de trauma do membro superior para a Unidade Funcional de Cirurgia Ambulatória da Mão e Artroscopia, evitando o internamento e a ocupação das salas de Urgência e eletivas no Bloco Operatório Central, para utentes com patologia traumática do membro superior”, explicou o coordenador da Unidade Funcional, Carlos Pina.

“Com estas cirurgias haverá um ganho assistencial enorme, assim como uma poupança de recursos económicos importante, permitindo aos utentes serem intervencionados de uma forma cómoda, diminuindo riscos e gastos associados a internamentos, e permitindo reafectar recursos humanos e económicos”, acrescentou o responsável.

O presidente do Conselho de Administração do CHL, Licínio de Carvalho, salientou que o novo equipamento “possibilita a descentralização dos procedimentos realizados no Hospital de Santo André, bem como a introdução de novas técnicas mais diferenciadas, mais seguras e menos invasivas para o doente”.

A Unidade Funcional de Cirurgia Ambulatória da Mão e Artroscopia entrou em funcionamento em março de 2021 no Hospital de Alcobaça e dedica-se à cirurgia da mão. Também realiza cirurgias como a artroscopia no joelho, tornozelo e outras. No primeiro ano de funcionamento, a unidade realizou 495 cirurgias.

Hospital de Santa Luzia tem nova ressonância magnética

O novo aparelho de ressonância magnética do Hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo, com um investimento superior a 1,2 milhões de euros, vai começar a funcionar na terceira semana de julho.

De acordo com o presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), Franklim Ramos, “a aquisição deste equipamento vai permitir melhorar de forma substantiva a capacidade e qualidade dos diagnósticos, permitindo também que especialidades, como por exemplo, a cardiologia e neurologia possam desfrutar desta especificidade de meios complementares de diagnóstico”.

O dirigente explicou que a entrada em funcionamento do novo aparelho de ressonância magnética “vai evitar o recurso a outros prestadores, simplificando a vida dos utentes bem como diminuir os gastos em transportes uma vez que estes exames serão executados na instituição”.

Este novo equipamento, orçado em 1,2 milhões de euros, mais IVA, foi adquirido por concurso público internacional, e substituirá o existente, permitindo fazer todos os exames prescritos na ULSAM, nomeadamente os exames designados por alto campo.

Devido à tecnologia incorporada, “aumentará a qualidade da imagem obtida, permitindo deste modo, aos clínicos, uma avaliação mais rápida, rigorosa e mais acertada da imagem”.

O novo equipamento vai, ainda, permitir a realização “desde ressonâncias magnéticas de corpo, neurorradiologia, exames funcionais e biópsias por ressonância magnética, assim como todos os exames de imagiologia cardíaca”.

Unidade portátil de raio-X torna cuidados de saúde mais inclusivos

“Radiologia na Comunidade” é um projeto “inovador” da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve, que permite, através da utilização de uma unidade de raio-X portátil, o acesso inclusivo dos utentes a um serviço de radiologia sem exigir deslocações a uma unidade de saúde.

Este projeto veio criar uma resposta ao nível do diagnóstico por imagem junto dos utentes da ARS Algarve institucionalizados, com mobilidade condicionada ou sem mobilidade, melhorando significativamente a capacidade de respostas dos Cuidados de Saúde Primários na região.

Em comunicado, o presidente do Conselho Diretivo, Paulo Morgado, referiu que a ARS Algarve é pioneira a nível nacional na “aquisição e utilização deste equipamento, com enormes vantagens para os utentes e para os profissionais”.

“A radiologia é uma área prioritária e este serviço permite-nos levar o Serviço Nacional de Saúde à casa das pessoas, reforçando as relações de proximidade”, reforçou o responsável.

A implementação deste projeto garante mais conforto e comodidade aos utentes na realização de exames de radiologia.

A equipa de técnicos superiores de saúde, diagnóstico e terapêutica da área de Radiologia desloca-se às instalações das entidades que solicitam os seus serviços, planeiam e executam os exames prescritos aos utentes, respeitando as orientações de segurança e proteção adequadas à utilização do novo equipamento.

“Até ao momento já foram realizados 30 exames com este equipamento portátil”, disse a coordenadora do serviço de Radiologia da ARS Algarve, Paula Simãozinho.

“A evolução do serviço de Radiologia tem sido uma das grandes apostas da ARS Algarve. Nos últimos anos foi feito um investimento em digitalização, armazenamento de imagens e Inteligência Artificial e, perante o sucesso desta nova iniciativa, está prevista a aquisição de mais unidades portáteis de raio-X para dotar toda a região deste serviço”, sublinhou Paula Simãozinho.

Esta solução tecnológica surge como mais uma resposta da ARS Algarve na luta contra doenças do foro respiratório. Esta medida surge ainda com o propósito de controlar a progressão dessas doenças e, consequentemente, reduzir a morbilidade e a mortalidade na comunidade residente.

Este investimento permite à ARS Algarve alargar as competências do serviço regional de radiologia, composto por oito salas fixas, distribuídas pelos três agrupamentos de Centro de Saúde, e uma unidade móvel.

CHBM investe 200 mil euros em equipamentos

O Centro Hospitalar Barreiro Montijo (CHBM) investiu cerca de 200 mil euros na aquisição e substituição de equipamentos para vários serviços da instituição, com o objetivo de melhorar os cuidados prestados aos utentes.

Entre os equipamentos destacam-se os monitores multiparamêtros e equipamentos de avaliação de sinais vitais, seringas e bombas infusoras, equipamentos para cirurgia de ombro e braço, eletrobisturis e mesas de cabeceira.

Para os profissionais do CHBM, estes investimentos, realizados durante o mês de maio, permitem a atualização tecnológica dos equipamentos existentes na instituição e dar continuidade a uma prestação de cuidados de saúde de elevada qualidade.

CHEDV adquire novo mamógrafo

O Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga (CHEDV) adquiriu um novo mamógrafo, um equipamento que, além de uma resolução espacial superior, permite a realização de várias técnicas relevantes no rastreio, diagnóstico e intervenção mamária.

Este novo equipamento permite a realização de tomossíntese, uma técnica em que é efetuado um estudo tridimensional da mama, ultrapassando algumas limitações inerentes à mamografia convencional, sem aumento significativo da dose de radiação comparativamente com uma mamografia convencional.

Assim, podem ser evitados exames de vigilância, caracterização por outras técnicas e ainda biópsias desnecessárias, melhorando a precisão diagnóstica e detetando lesões suspeitas mais precocemente.

O novo equipamento permite ainda a realização de mamografia com contraste, semelhante à mamografia convencional, porém realizada após administração de contraste iodado endovenoso.

A mais recente aquisição do CHEDV tem como princípio a neovascularização que ocorre em lesões malignas, sendo comparável em termos de sensibilidade e especificidade à Ressonância Magnética mamária, e tendo como vantagens em relação à mesma a rapidez e conforto de realização, a acessibilidade e o custo.

De acordo com o CHEDV, no futuro será possível a realização de biópsias mamárias assistidas por vácuo, uma técnica que permite a obtenção de fragmentos de maiores dimensões, aumentando a confiança no diagnóstico histológico por maior representação das lesões, evitando repetição de biópsias e, em alguns casos, biópsias excisionais cirúrgicas.

É um procedimento rápido, bem tolerado e minimamente invasivo, com menores custos face a uma intervenção cirúrgica. Atualmente tem também um papel terapêutico, permitindo a excisão de lesões benignas de pequenas dimensões.

Hospital de Bragança tem novo aparelho de Ressonância Magnética

A Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste dispõe de um novo e moderno aparelho de Ressonância Magnética, instalado na Unidade Hospitalar de Bragança, aumentando assim a capacidade de resposta e permitindo a realização de 500 exames por mês.

“Trata-se de um investimento há muito ambicionado, que vem colmatar a inexistência deste equipamento nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde no distrito de Bragança, deixando assim, agora, a ULS do Nordeste de estar dependente de entidades externas para a realização de exames de Ressonância Magnética”, refere a ULS do Nordeste em comunicado.

Considerado fundamental na diferenciação do diagnóstico e no apoio à decisão clínica, este equipamento aumenta a capacidade de resposta da ULS do Nordeste às necessidades, permitindo a realização de 500 exames por mês, quer programados, quer de urgência.

Para a instalação do novo equipamento foram também realizados trabalhos de adaptação do espaço no hospital, integrado no Serviço de Imagiologia, incluindo salas destinadas a apoio técnico e ao recobro dos utentes.

Trata-se, segundo a ULS do Nordeste, de um investimento que se traduz “em maior qualidade, rapidez, eficiência, segurança e conforto, beneficiando quer os utentes, quer os profissionais na prestação de cuidados de excelência”, de acordo com aquela que “é a missão da ULS do Nordeste”.

IPO Lisboa recebe equipamentos no valor de 65 mil euros

O Rotary Club de Lille e o Rotary Club de Lisboa Internacional vão doar ao Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil (IPO Lisboa) material especializado de tecnologia avançada em laparoscopia, que vai permitir o reforço de meios e contribuir para a qualidade de vida e bem-estar das pessoas com doença oncológica.

O anúncio da doação deste material, num valor que ultrapassa os 65 mil euros, foi feito numa visita realizada ao IPO Lisboa, na semana passada, com representantes das duas instituições.

De acordo com o diretor do bloco operatório, Luís d’Orey Manoel, “o reforço do número de instrumentos para laparoscopia nas especialidades de Ginecologia e Urologia vai permitir uma maior facilidade na realização de intervenções, uma vez que a sua utilização não ficará tão dependente da capacidade de esterilização dos atualmente existentes”.

O especialista acrescentou que a existência de vários conjuntos de instrumentos “permite a realização de várias intervenções sequenciais”.

Esta cooperação com os Rotary Club de Lille e de Lisboa Internacional compreende outras duas vertentes. Uma prevê a prossecução do intercâmbio com os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, como Cabo Verde, Angola e São Tomé e Príncipe, com vista à formação de equipas médicas e de técnicos daqueles países, que o IPO Lisboa tem vindo a desenvolver ao longo dos anos.

A outra prende-se com a celebração de um protocolo de cooperação entre o IPO Lisboa e o Centre Oscar Lambret, de Lille, com o objetivo de partilha de informação e boas práticas na utilização de técnicas laparoscópicas, de forma a aumentar a eficiência das equipas cirúrgicas nesta área.