HFF investe 100 mil euros na renovação do bloco operatório

O Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF) avançou na renovação tecnológica do seu bloco operatório e passou a dispor de duas “salas inteligentes”, num investimento estimado de 100 mil euros.

De acordo com o médico e diretor do bloco operatório Carlos Marques, estas denominadas “salas inteligentes” vêm permitir melhores resultados nas intervenções cirúrgicas num conjunto alargado de especialidades médicas.

“Estas duas salas representam um salto tecnológico muito importante, inserido num projeto mais vasto de renovação das 11 salas cirúrgicas do HFF”, explicou Carlos Marques. Com estas duas salas, é possível “toda uma dinâmica e partilha de informação que traz mais-valias muito importantes relativamente a uma sala convencional”, referiu.

Através da integração é possível aceder em tempo real aos dados atualizados do doente, como por exemplo os exames imagiológicos, o que permite uma melhor tomada de decisão no decurso das cirurgias.

“Tudo isto através de softwares e aplicativos específicos que controlam a gestão da informação e também através de um conjunto de monitores de alta-definição que permitem uma adequada visualização de toda essa informação”, lê-se no comunicado divulgado pelo hospital.

Este tipo de salas possibilitam um aumento da precisão e procedimentos menos invasivos, o que se traduz em maior conforto e segurança para os doentes.

A componente tecnológica destas salas permite também um aumento da eficiência da utilização dos tempos cirúrgicos, uma vez que é possível guardar as especificações de equipamento para os cirurgiões ou para equipas cirúrgicas, evitando assim perdas de tempo na configuração da sala a cada nova intervenção.

O diretor do bloco destacou ainda a tecnologia presente nestas salas que permite ainda “a transmissão em tempo real das cirurgias, podendo ser visualizadas em qualquer local desde que com acesso à internet”.

“Assim, as ‘salas inteligentes’ são também um recurso importante para a área da formação, possibilitando difundir o conhecimento na área cirúrgica por outros profissionais de saúde, sejam da própria instituição ou de outros hospitais, bem como abrem a possibilidade do envolvimento remoto de outros especialistas no processo intraoperatório”, realçou ainda Carlos Marques.

Urologia, cirurgia-geral, ortopedia e ginecologia são algumas das especialidades em que estas novas salas vão possibilitar a entrada num novo patamar técnico. Poderão ser utilizadas para qualquer outra especialidade, sobretudo “sempre que a utilização destes recursos tecnológicos possa contribuir para alcançar os melhores resultados nas cirurgias que proporcionamos aos utentes do HFF”, concluiu o diretor do bloco operatório.

Hospital da Figueira da Foz tem unidade de ecocardiografia avançada

Com o objetivo de melhorar a qualidade dos cuidados prestados aos utentes, o Hospital Distrital da Figueira da Foz (HDFF) dispõe de uma nova unidade de ecocardiografia avançada.

Em comunicado, o HDFF explicou que a nova unidade, equipada com ecocardiógrafo premium Acuson SC2000, com tecnologia diferenciadora 4D, capacita o HDFF para a realização de exames, tais como ecocardiografia transtorácica e transesofágica tridimensional.

Esta unidade permite assim a realização de análises avançadas de função ventricular e das válvulas cardíacas, assim como exames de sobrecarga farmacológica, possibilitando a avaliação das artérias coronárias, em condições de esforço.

Esta tecnologia vem acrescentar capacidade de diagnóstico e prognóstico na doença cardíaca e possibilitar a realização de exames cardiológicos de proximidade no HDFF que até ao momento eram realizados noutras unidades hospitalares, implicando a deslocação dos utentes.

CHBM investe dois milhões na ampliação da UCI

As instalações da Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) do Centro Hospitalar Barreiro Montijo (CHBM) vão ser ampliadas, tendo as obras tido início na passada semana.

O investimento, na ordem dos dois milhões de euros, prevê a beneficiação do espaço existente, expansão do serviço e capacitação tecnológica da UCI, permitindo o isolamento de até seis doentes em simultâneo, dois dos quais em quartos com pressão negativa.

Atualmente a unidade dispõe de cinco camas de cuidados intensivos, em área de open space, servindo diretamente na sua área de influência a população dos concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita e Montijo, num total de mais de 216 mil habitantes.

Esta intervenção permitirá aumentar a lotação da unidade para 11 camas (nível II e nível III), apetrechando o centro hospitalar de uma infraestrutura “mais adequada à intensidade dos cuidados prestados aos doentes em situação crítica e permitindo, adicionalmente, que a UCI passe a dispor de idoneidade formativa em medicina intensiva, para médicos em formação noutras especialidades”, lê-se em comunicado divulgado.

Segundo o CHBM, com a implementação do presente projeto, criam-se condições físicas para que a UCI venha a aumentar gradualmente a sua atividade, quer no número de internamentos, quer na complexidade dos doentes internados.

“É ainda expetável que seja possível reduzir os tempos médios para cirurgias mais complexas e em doentes com níveis de severidade superiores, atendendo ao aumento potencial da disponibilidade de cama em UCI para o pós-operatório imediato”, acrescentou o CHBM.

Para o responsável da UCI, Paulo André, esta intervenção significa “o início de um processo de melhoria que deverá conduzir a uma maior diferenciação da UCI, essencial para aumentar a qualidade da assistência aos doentes em estado crítico que acorrem ao CHBM”.

Hospital de Ovar obtém financiamento para reabilitar bloco operatório

A obra de reabilitação e ampliação do Bloco Operatório do Hospital Dr. Francisco Zagalo – Ovar acaba de obter condições de financiamento, estando “mais perto” a materialização de um antigo anseio da instituição.

“Não podíamos estar mais felizes com a notícia que abre caminho à concretização de um sonho, cada vez mais próximo da realidade”, afirmou em comunicado o presidente do Conselho Diretivo do Hospital de Ovar, Luís Miguel Ferreira.

O aviso de candidatura ao Portugal 2020 que enquadra a ambicionada empreitada, envolvendo um montante global de cerca de três milhões de euros, foi publicado a 13 de abril passado.

“Este é o passo decisivo, onde nós finalmente encontrámos a solução para o financiamento, resultado de um enorme esforço e luta de muita gente em torno de um tema da maior importância para o nosso hospital e para toda a comunidade vareira”, salientou Luís Miguel Ferreira.

Esta unidade hospitalar, que conta atualmente apenas com uma sala de cirurgias, aumentou em 2019 em 28 por cento as cirurgias, em comparação com período homólogo de 2018, registando neste indicador o melhor desempenho desde 2013.

“Com a obra de reabilitação e ampliação do Bloco Operatório teremos naturalmente melhores condições para desempenhar a nossa atividade assistencial e para prestar um melhor serviço à população que servimos”, acrescentou o responsável.

CHVNG/E avança com a construção do Serviço Materno Infantil

O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia – Espinho lançou um concurso público que visa a empreitada de construção do Serviço Materno Infantil Integrado na Fase C do hospital. O concurso tem o valor base de 12.210.000 euros.

As candidaturas ao concurso público podem ser apresentadas até 24 de abril e os concorrentes são obrigados a manter as respetivas propostas por 180 dias a partir dessa data. O prazo de execução do contrato é de sete meses e o critério de adjudicação é a relação qualidade/preço.

Consulte o anúncio em https://dre.pt/application/conteudo/161091621

Hospital das Caldas da Rainha retoma obras no Serviço de Urgência

O Centro Hospitalar do Oeste (CHOeste) retomou hoje a obra de remodelação e ampliação do Serviço de Urgência da Unidade de Caldas da Rainha, suspensa desde março de 2020 devido à pandemia.

De acordo com comunicado divulgado, neste momento estão reunidas as condições para a retoma da empreitada, que terá duração prevista de 153 dias até à sua conclusão.

O CHOeste explicou que, “por um lado, tem-se verificado uma diminuição da pressão na procura dos serviços de urgência, efeito da redução do número de infetados com Covid-19, e por outro, a conclusão da instalação de uma nova unidade modular, que irá permitir uma realocação dos espaços no interior do serviço de urgência, libertando áreas para a intervenção”.

A remodelação e ampliação do Serviço de Urgência da Unidade de Caldas da Rainha, iniciada em janeiro de 2018, visa a expansão e remodelação do atual espaço do Serviço de Urgência, estando prevista uma segunda Sala de Observação e a ampliação da Urgência Pediátrica.

Esta obra representa um investimento de 1.449.717,88 euros, com financiamento atribuído no âmbito do CENTRO 2020 (FEDER).

Para o Conselho de Administração do CHOeste, a concretização desta obra, irá permitir melhorar a qualidade de acolhimento, conforto e atendimento dos doentes, melhorar os fluxos de trabalho dos profissionais que diariamente exercem as suas funções neste serviço, com melhores instalações e equipamentos, que permitirão aumentar a capacidade de resposta à atividade do serviço.

Apesar dos constrangimentos provocados pela obra e sua suspensão, o Serviço de Urgência de Caldas da Rainha esteve sempre a funcionar e a prestar os cuidados necessários aos utentes.